Bem vindo(a)! Você pode filtrar informações específicas da sede mais próxima de você, através da caixa à direita:

A pirâmide de Maslow

Nova Acrópole / Artigos / A pirâmide de Maslow
Categoria:

artigo2-ed37Por meio do estudo comparativo realizado por grandes pensadores como Jung ou Mircea Eliade, constatamos que existiram técnicas para se iniciar na Sabedoria em todos os antigos povos, e métodos de transmiti-la que com o passar do tempo perdemos ou esquecemos devido à mudança de interesses e perspectivas do homem.

No entanto, pensadores contemporâneos, por meio de uma investigação séria e profunda, chegam novamente ao cerne das mesmas questões essenciais. A Pirâmide de Maslow começa a partir da ideia de que o homem tem uma série de necessidades básicas e metanecessidades (Pirâmide de Maslow), que motivam seus comportamentos e, portanto, de acordo com as que prevaleçam, será a sua conduta, valores e realização pessoal. Elas vão desde o alimento, a segurança, o afeto, o respeito e a autoestima, até a autorrealização. Explica-nos que muitas pessoas, ao suprir somente as necessidades inferiores, de sobrevivência e afeto, não se realizam plenamente, e daí derivam todo tipo de problemas que se resumem na palavra doença, uma vez que para Maslow a saúde é o pleno desenvolvimento pessoal, e a doença, o desequilíbrio ou déficit dele. Maslow afirma que não necessitamos somente de vitaminas e minerais para nossa saúde, mas que outros aspectos do homem também necessitam de vitaminas para seu desenvolvimento pleno, como a vivência e prática de valores éticos que atualizem e desenvolvam nossa natureza interior, cultivando-a. Sim, considera que requer disciplina para revelar ou atualizar nossa natureza interior.

Em todo esse processo não são descartadas circunstâncias difíceis, frustrações, privações ou dor, que farão aflorar forças adormecidas ou simplesmente segurança e força interior, se as resolvemos e as enfrentamos com valor. Diz que quem não resistiu ou superou a adversidade, segue duvidando de sua própria capacidade de fazê-lo. Além de uma boa alimentação para o corpo físico, e uma sadia vida afetiva para nossa psique, necessitamos dar-lhe meios de expressão à nossa natureza superior para que atue como princípio condutor de nossa vida. Se negar ou tentar abolir esse conceito essencial, a pessoa adoecerá. Para o autor, a doença não é somente física, mas também psicológica, mental e da alma. Maslow afirma que a ausência de valores humanos, como guias e motivadores de comportamento, resultam em doenças ou metapatologias que são o enfraquecimento do homem.

Como exemplo de algumas delas, temos a perda do entusiasmo pela vida, a insensatez, o aborrecimento, a indiferença, a apatia, o fanatismo, o vazio existencial. A profanação da vida, a aridez, a ineficácia, sensação de ser inútil, o desespero, as dúvidas fundamentais, a angústia, o cinismo, a futilidade, a negatividade, etc.