Bem vindo(a)! Você pode filtrar informações específicas da sede mais próxima de você, através da caixa à direita:

Protagonistas da história -Gengis Khan, Imperador da Ásia

Nova Acrópole / Artigos / Protagonistas da história -Gengis Khan, Imperador da Ásia
Categoria:

Passou pela história como um dos maiores generais e estrategistas, de maneira que sua vida e sua pessoa se mitificaram ao máximo. Foi um guerreiro infatigável e um batalhador sem limites, até o ponto que outros grandes personagens se inspiraram nele e em suas táticas para empreender batalhas, como Napoleão e Rommel. Falamos de Gengis Khan.
Seu nome original era Temujin, que em língua mongol significa “que trabalha o ferro” e, calcula-se que nasceu no ano 1167. Foi o forjador de um dos impérios mais extensos na história da humanidade. Maior que o de Alexandre Magno, o da antiga Roma ou o do califado de Bagdá: em menos de um século, um imenso reino se expandiu do oceano Pacífico até quase o Mediterrâneo, e da Sibéria até o Himalaia. Ademais, partindo praticamente do zero.
Conta a lenda que Alan-Coa, esposa do chefe da tribo mongol mais poderosa da estepe, via cada noite em seus sonhos um personagem de cabelos loiros e olhos azuis que entrava em sua casa e lhe sussurrava ao ouvido: “GENGIS Khan”. Após vários anos da primeira visão, o clã familiar foi abençoado pelo nascimento de Temujin.
O menino foi educado nos férreos costumes mongóis. Recolher o esterco para utilizá-lo como combustível, cuidar dos cavalos, caçar marmotas, vigiar o gado ou aprender a usar o arco eram atividades que se impunham aos rapazes dos estepes. Tudo isso fazia com que amadurecessem física e psicologicamente.
Temujin tinha olhos de gato, testa larga e pernas um pouco arcadas por montar à cavalo. Mas o que mais se destacava no jovem era seu forte caráter, o que fez com que mais tarde chamasse a si mesmo de “o látego de Deus”.
Quando tinha treze anos, seu pai foi envenenado, ele era o chefe do clã mongol mais poderoso do momento. Isso acelerou o crescimento de Temujin, num momento em que havia grande luta entre os clãs. À sua mãe é atribuído um ensinamento, que seria de grande importância em sua vida: Sua única companhia é sua sombra.
Após, e durante vinte anos, lutou por fazer valer sua autoridade frente aos impostores que tinham usurpado o posto de seu pai. Depois de dominar pela primeira vez todas as tribos dos mongóis, foi eleito como Gengis Khan, que significa “o maior dos governantes”, “o imperador de todos os homens”.
A base da atuação de Gengis Khan está na crença de que só pode haver um imperador para todos os homens, e portanto todos os povos devem estar sob sua autoridade: Há um só Deus, um só rei, uma só lei, dizia.
Mas Gengis Khan não construiu o império de terra maior da história só pela força bruta e pelas mortes, mas sim por ser um grande estrategista e um brilhante governante. Sua primeira conquista foi a China; em 1208 cruzou a grande muralha com uns trezentos mil cavaleiros e em 1213 começou a conquista da China central. Em uma batalha crucial, vendo que suas forças eram inferiores, fez com que cada soldado fizesse um boneco do porte de uma pessoa e o pusesse em seu cavalo de reserva (quando um cavalo se cansava, usava-se o outro que se levava ao lado, sendo este exército um dos mais rápidos da história). Desta maneira, o exército de Khan parecia duas vezes mais numeroso, atemorizando os seus adversários e conseguindo a vitória.
Khan implantou o sistema de correio mais rápido de toda a história, já que cada mensageiro ia rapidamente à galope com um bom par de cavalos de reserva, utilizando um sistema de correio para transmitir as mensagens. Este sistema também era utilizado para vigiar os arredores de Ordu ou acampamento imperial.
Em 1227, durante uma caçada, Gengis Khan sofreu uma grave queda do cavalo. A hemorragia interna lhe concedeu apenas o tempo para designar seu filho Ogodai como seu sucessor. Outras versões apontam que pode ter padecido de tifo.
Gengis Khan unificou o grande povo mongol e o fez tomar consciência de sua própria identidade e poder. Para além de sua morte, sobreviveu a fama do imperador e ficou constituída a pax mongólica que, apesar dos seus violentos inícios, permitiu a convivência de culturas e religiões diferentes.