Bem vindo(a)! Você pode filtrar informações específicas da sede mais próxima de você, através da caixa à direita:

Vida Saudável – O mau hálito: uma barreira para a comunicação

Nova Acrópole / Artigos / Vida Saudável – O mau hálito: uma barreira para a comunicação
Categoria:

Denomina-se halitose ou mau hálito que se percebe em algumas pessoas quando respiram ou abrem a boca. As causas são variadas; se é ocasional pode ser devido à ingestão de determinados alimentos e se é mais contínuo, há muita probabilidade de ser causado por uma má higiene bucal, que faz com que os restos de comida que ficam na boca apodreçam.

A saliva é um elemento fundamental na saúde da boca, porque se encarrega de manter um pH quase neutro, importante para evitar a aparição de bactérias nocivas e para conservar o esmalte dental, que se deteriora com pH ácidos. Além disso maiso, contém substâncias específicas para lutar contra as cáries e as infecções, como a lisozima que é bactericida, a lactoferrina que retira o ferro, elemento vital para muitas bactérias, e as imunoglobinas, anticorpos que detectam toda substância estranha. Quase sempre o mau hálito é acompanhado de uma escassa produção de saliva. Normalmente, produzimos entre 1 a 2 litros de saliva por dia, uma média de 1 ml por minuto, velocidade que muda ao longo do dia. A produção de saliva tem um ritmo circadiano (ciclos de 24 horas), sendo mínima pela noite. Essa é a razão do mau hálito pela manhã, que costuma ser bastante generalizado e que não é preocupante. A fabricação de saliva diminui com os anos, daí também o mau hálito dem alguns idosos. Outras causas de sequidão bucal pode ser o costume de respirar pela boca ao invés do nariz, o fumar em excesso e a ingestão de medicamentos ansiolíticos, tranqüilizantes, antidepressivos, diuréticos ou anti-histamínicos.

A língua, por sua vez, é um indicador do nosso estado de saúde e sua cor pode indicar alguma enfermidade. Hipócrates recolhe distintos casos de diagnóstico pela observação da língua, e seu uso se manteve, sendo a primeira coisa que atualmente o médico faz quando vamos a uma consulta. A língua tem um sistema de autolimpeza e sua cor natural é o vermelho claro. Quando não faz essa autolimpeza, por falta de saliva, ou por outras limitações, observamos uma capa esbranquecidaesbranquiçada chamada saburra, que contribui com o mau hálito, e que éestá composta de células mortas, bactérias, restos de alimentos e um líquido esbranquiçado produzido pela língua.

Os responsáveis pelo mau hálito, além de uma baixa produção de saliva, são fundamentalmente o haver comido determinados alimentos com alto conteúdo de enxofre, como cebolas, alhos, peixes ou enlatados (já que uma vez digeridos no intestino, os compostos sulfúricos são absorvidos pelo sangue e são expulsos pelos pulmões com o ar que expiramos), e as infecções do aparelho digestivo: cáries, inflamação das gengivas, amidalite, bronquite ou gastrite crônica. Aqui, o cheiro é produzido pelo compostos voláteis gerados porelas bactérias causadoras da enfermidade.

Outras causas da halitose são a obstrução intestinal (porque como o intestino grosso não se esvazia regularmente, as toxinas e gases produzidos se acumulam e podem passar através do sangue aos pulmões onde, novamente, eliminam-se com o ar que expiramos), e determinadas enfermidades como a diabetes (que provoca um característico aroma de fruta ou acetona) e a insuficiência renal (que provoca um cheiro de urina).

Para combater a halitose se recomenda-se, especialmente, melhorar a higiene bucal. A cárie é uma causa comum de mau hálito, sendo seus estados prévios o tártaro, formadoo tártaro, formado por material orgânico que se deposita sobre nosos dentes e causa a inflamação das gengivas, e a placa, que é uma capa de cor cinzenta formada por células mortas, microorganismos e restos de comida que se aderem à superfície lisa dos dentes. Por isso, é importante visitar o dentista regularmente e fazer uma limpeza bucal. Deve-seHá que escovar os dentes depois das refeições e antes de dormir, escovando também a língua. É bom utilizar o fio dental, para retirar os restos de comida dentre os dentes e usar um elixir bucalenxágüe bucal, posto já que enxágüaenxágua a boca com oxigênio, atacando assim as bactérias nocivas, que são anaeróbias.

Para prevenir a sequidão bucal é preciso beber muita água e para estimular a secreção salivarl beber sucos de frutas ou mascar chiclete sem açúcar. Para melhorar o hálito, pode-sepodem-se fazer gargarejos com água morna salgada, ou com uma colherada de água oxigenada diluída em 3%, em meia xícara de água e podemos também utilizar enxagüesenxágües bucais, embora a maioria estimule disfarce o mau cheiro, tão -somente o neutralizam aqueles que contémaqueles que contêm zinco e benzoato sódico.

Um remédio em casos urgentes pode ser mastigar salsinha ou tomar um chá de menta. Outras plantas úteis são a alfalfaalfafa, o cravo, a raiz de gengibre, a erva-doce, a sáalvia, o alecrim ou as sementes de anis.

Recomendações para a halitose

Limpe sua língua 3 vezes por dia.

Escove seus dentes e use fio dental 3 vezes por dia.

Beba muita água, especialmente se sua saliva é espessa, se você ingere medicamentos como anti-histamínicos ou antidepressivos, se está de dieta, se você faz muito exercício físico ou se sua atividade requer que você fale muito.

Visite com rregularmenteidade o seu dentista para fazer uma limpeza dental, para evitarndo as possíveis restaurações em mal estado ou inflamação das gengivas.

Se utiliza placas removíveis, mergulheas submerja numa solução anti-sséptica pelo menos duas vezes por semana.

Diminua o uso de enxágües que contenham álcool.

Diminua o consumo de café, álcool e tabaco.

Aumente o consumo de verduras com fibras e frutas.

O mau hálito também pode indicar alguma outra enfermidade no seu organismo.

Consumir iogurte natural para melhorar a flora intestinal

Sugere-se jejuar de 1a 3 dias com suco de laranja e sábila (Aloe Vera), ou suco de uva com sábabosabila (Aloe Vera).

Consumir todas as folhas verdes que contêm clorofila, assim como o tomilho, já que são excelentes para a digestão e o bom hálito.

A limpeza constante da língua poderia ser um método efetivo para reduzir os níveis orais dos compostos de enxofre volátil (VSC) e o mau cheiro bucal.

Isabel Pérez Arellano