Bem vindo(a)! Você pode filtrar informações específicas da sede mais próxima de você, através da caixa à direita:

VIVER SADIOS – Menopausa

Nova Acrópole / Artigos / VIVER SADIOS – Menopausa
Categoria:

Na vida da mulher há um momento em que os ovários começam a funcionar, que é a puberdade, e outro que deixam de fazê-lo, a menopausa. Assim como a puberdade provoca uma série progressiva de alterações hormonais, que afetam os níveis físico e psíquico, e que fazem da adolescência uma idade complexa, do mesmo modo quando os ovários deixam de funcionar se produz outro desequilíbrio hormonal no corpo feminino, até que se adapte à nova situação, o que dura entre cinco e dez anos. Nessa etapa, chamada pré-menopausa, a menstruação torna-se irregular e aumenta o intervalo entre uma e outra, até que transcorra um ano desde a última, então já se fala em menopausa, o que acontece em torno dos 50 anos.

Os ovários não deixam de produzir óvulos e hormônios (estrógeno e progesterona) de uma forma repentina, mas gradualmente. Para equilibrar a diminuição da atividade do ovário, a hipófise incrementará sua própria produção de hormônios, esse jogo de alternâncias é o que ocasiona alguns transtornos. Isto é, muitas funções antes reguladas pelos ovários passam a ser controladas pela hipófise, o que supõe um princípio de desajuste.

A hipófise é como um termostato do corpo. Regula-se pelo nível de estrógenos, que quando faltam, causam inicialmente alterações na temperatura da pele. Os sufocos duram entre 1 e 3 minutos, podendo ocorrer até 30 durante o dia. O calor é notado especialmente no rosto, colo e peito. Em contrapartida, põem-se em marcha as glândulas sudoríparas, mas como o mecanismo já não funciona como antes, a sudoração resulta tão intensa que a mulher se sente ensopada.

A pele se torna progressivamente mais fina e perde umidade e elasticidade devido à falta de colágeno, uma proteína que mantém a pele firme.

Pela mesma diminuição dos níveis hormonais , o epitélio da vagina se afina, resseca e torna-se menos flexível, o que causa dor, inflamação e até sangramento, aumentando também o risco de infecções por fungos.

Os sufocos noturnos fazem com que o sono profundo, necessário para o descanso, às vezes fique prejudicado.

O revestimento interno da uretra se afina com o passar dos anos e os músculos no entorno podem debilitar-se, ocasionando a perda involuntária de urina ao tossir, espirrar ou rir.

Podem ocorrer lapsos de memória e diminuição da concentração.

As conseqüências mais sérias da menopausa, que podem demorar décadas para surgir, incluem problemas coronários e osteoporose.

Além dos sintomas físicos, a menopausa representa para algumas mulheres uma etapa de crise psicológica. Produzem-se transtornos afetivos, irritabilidade, estados de ansiedade e inclusive depressão. O mundo emocional torna-se mais vulnerável. Se os filhos já se tornaram independentes, a mulher encontra-se frente a frente com seu parceiro, o que a obriga a enfrentar a viabilidade de sua relação. Por outro lado, pode aparecer um sentimento de perda da feminilidade e da juventude, em uma sociedade que super valoriza a aparência física.

Cabe dizer que nem todas as mulheres sofrem esses sintomas, nem com a mesma intensidade, sendo que as repercussões psicológicas da menopausa encontram-se associadas ao nível de satisfação pessoal que a mulher tem em relaçao a sua vida, ao aspecto familiar e social.

Para assimilar essa nova etapa, convém realizar um ajuste no estilo de vida.

Quanto à alimentação, necessitaremos de mais cálcio por dia, assim como uma quantidade suficiente de vitamina D, fundamental para a formação dos ossos. Será melhor consumir alimentos pobres em gordura, já que agora os estrógenos não podem nos proteger da aterosclerose. Também evitar os alimentos curados e defumados, por seu alto teor de sódio, que podem causar hipertensão.

Necessitaremos dormir mais, um pouco de exercício, por exemplo, andar, nadar, fazer ginástica, dançar….evitará o consequente aumento de peso e graças às endorfinas, teremos uma maior sensação de bem-estar.

Para aliviar os sufocos, recomenda-se os tratamentos de hidroterapia, pois estimulam o metabolismo e a circulação. Sem esquecer que o mais prático é vestir-se com muitas camadas de roupa, para poder tirá-las conforme necessite. A soja na alimentação também pode reduzir os sufocos, pois contém fitoestrógenos, ao passo que os alimentos muito condimentados, assim como o álcool e até o café, podem aumentar.