Bem vindo(a)! Você pode filtrar informações específicas da sede mais próxima de você, através da caixa à direita:

Categoria: Poemas

Post

A melhor poesia (Amado Nervo)

“Não escreverei mais versos, oh, misteriosos gênios! Não imprimirei mais vãs e sonoras obras” – o poeta dizia -, “Doravante, seja o silêncio minha melhor poesia. Doravante, o ritmo nobre de meus atos diversos, seja, gênios celestes, o ritmo de meus versos. Doravante, estes meus olhos, de olhar claro e puro, perto de cuja luz...

12 de julho de 201512 de julho de 2015 - Poemas
Post

Maya (Amado Nervo)

És um com Deus: Em tua alma levas teu paraíso O exterior, que te turva e entristece, Não cobra realidade senão em ti mesmo: Tu formas as imagens e logo as desejas trocando-as em ídolos. O resultado de tuas sensações para ti Constitui o Universo, e são tuas sensações Qualidades puras de teu entendimento moral....

12 de julho de 201512 de julho de 2015 - Poemas
Post

Temperança (Amado Nervo)

Estou temperado para a morte, temperado para a eternidade, e sou sereno porque sou forte; a força infunde serenidade. Em que radica minha força? Em uma indiferente resignação ante as quedas da sorte e os embates da aflição. E no tranquilo convencimento de que a vida tão só é vão fantasma que move o vento,...

12 de julho de 201512 de julho de 2015 - Poemas
Post

Canção do Tamoio (Gonçalves Dias)

Não chores, meu filho; Não chores, que a vida É luta renhida: Viver é lutar. A vida é combate, Que os fracos abate, Que os fortes, os bravos, Só pode exaltar. Um dia vivemos! O homem que é forte Não teme da morte; Só teme fugir; No arco que entesa Tem certa uma presa, Quer...

12 de julho de 201512 de julho de 2015 - Poemas