Bem vindo(a)! Você pode filtrar informações específicas da sede mais próxima de você, através da caixa à direita:

Homenagem ao filósofo renascentista Giordano Bruno

Homenagem ao filósofo renascentista Giordano Bruno

Salvador

Categoria:

A Nova Acrópole de Salvador homenageou o filósofo renascentista, no dia 19 de fevereiro de 2021, com a palestra on-line  “Giordano Bruno: O homem de fogo”, apresentada pela professora Hermínia Gelda Trindade.

Neste ano de 2021, completaram-se, no dia 17 de fevereiro, 421 anos da morte de Giordano. Filho de uma família nobre italiana, foi condenado à morte na fogueira pelas autoridades religiosas da época, ao defender suas humanísticas ideias, que eram contrárias aos dogmas do século XVI.

Bruno foi um filósofo que, desde pequeno, destacava-se por sua inteligência e mística. Esta última estava fundamentada no constante exercício moral e, como um verdadeiro amante da sabedoria, não satisfeito com o cenário do período medieval em que vivia, Giordano iniciou uma longa jornada em busca de respostas. Em pouco tempo já dominava quase todo o conhecimento religioso, científico e artístico de sua época. Sua vida era dedicada ao propósito moral, e com o intuito de que a humanidade despertasse para uma realidade filosófica, ele defendia ideias como:

“Todo homem possui um filósofo dentro de si. Para fazê-lo viver, é necessária a presença do amor heroico, dessa força infinita que provém do Uno e que permite ao homem suportar dores, transformar o mundo, concretizar seus Ideais”.

Homenagem ao filósofo renascentista Giordano BrunoApós a palestra, o aluno e voluntário da Nova Acrópole de Salvador, Victor Araújo, interpretou Giordano Bruno enquanto este esteve aprisionado, mostrando que apenas o seu corpo estava encarcerado, mas a sua alma permanecia livre. Segue um trecho de sua fala, inspirado no livro Sobre o Infinito, o Universo e os Mundos:

“Sejas livre em sua capacidade de imaginar, pois aquele que imagina é livre na sujeição, contente no sofrimento, rico na indigência e vivo na morte. Da minha parte, sou livre, porque, para mim, Deus está oculto, mas também explícito em tudo que vejo. E sei que, quando olho para a divindade, ela também olha para mim.”

O público pôde participar com comentários e perguntas que foram respondidos pela professora Hermínia.

Tags: Palestra | Teatro