Bem vindo(a)! Você pode filtrar informações específicas da sede mais próxima de você, através da caixa à direita:

Como Harmonizar o Pensamento e a Emoção?

Como Harmonizar o Pensamento e a Emoção?

São Leopoldo

Categoria:

Na noite de quarta-feira, 3 de julho, a sede de São Leopoldo da Organização Internacional Nova Acrópole – Filosofia, Cultura e Voluntariado – recebeu um público de diferente faixa etária, com grande interesse em dialogar sobre o tema “Como Harmonizar o Pensamento e a Emoção?”

No encontro, em formato de aula aberta, a instrutora Bárbara Klimiuk Sinigaglia resgatou os princípios da filosofia indiana, que não separa, categoriza ou classifica, mas inclui o cosmos, a sociedade, o ser humano, entre outros, como uma unidade múltipla. “Dentro do branco nasce o preto, dentro da morte nasce a vida… Está tudo integrado, como uma forma circular.”

Trata-se de uma outra maneira de ver o mundo, diferente da racionalista que herdamos, onde é uma coisa ou outra. Por exemplo, ou falamos de espírito ou de matéria.

Assim, a filosofia oriental vai nos estimular a controlar a necessidade do imediatismo, que quer nos dar formas categóricas, uma vez que na perspectiva indiana estamos sempre mudando.

Daí a importância de conhecermos os diferentes motores que animam o ser humano, ou seja, suas formas de expressão – físico, energético (vitalidade), emoções e sentimentos, mental – que podem nos aproximar ou nos afastar do eu real, do caminho evolutivo.

Bárbara alerta para o perigo de vivermos somente na esfera emocional, que sobrecarrega o mental originando respostas impulsivas e preconceituosas. Já a tolerância vai resultar num mental “aquecido”, “aconchegante”, não excludente.

Filosofia Humana

Conhecer o que nos move nos dará condições de viver de forma mais consciente e isso impactará no ambiente a nossa volta.

Hoje vivemos uma crise de valores, de princípios, e que não terá solução se cada um se eximir em fazer a sua parte.

Temos que trabalhar nossos pensamentos e emoções vivenciando uma filosofia humana, unindo o racional e o afetivo. Isto não significa negar momentos ruins, mas aprender com eles. E à medida que vamos nos conhecendo e apresentando o nosso melhor, podemos contribuir para mudanças no ambiente externo.

 

Tags: Palestra