Bem vindo(a)! Você pode filtrar informações específicas da sede mais próxima de você, através da caixa à direita:

Mulheres na Filosofia

Mulheres na Filosofia

São Leopoldo

Categoria:

Em diferentes épocas da história as mulheres tiveram – e têm – grande representatividade no pensamento filosófico, contribuindo de forma significativa com a sociedade, muito embora são poucos os registros.

Em homenagem a essas sábias e valorosas mulheres, a Organização Internacional Nova Acrópole – Filosofia, Cultura e Voluntariado, – por ocasião do Dia Internacional da Mulher, promoveu no dia 09 de março, a aula aberta “Mulheres na Filosofia”.

O encontro, que aconteceu na sede de São Leopoldo, reuniu um público de diferentes faixas etárias e bastante participativo.

Universo Feminino

Rememorando biografias, desafios e contribuições, a instrutora Amanda Backes Kauer e a estudante de Filosofia à Maneira Clássica, Sandra Gonçalves Leite Oliveira, destacaram, na oportunidade, algumas representantes do universo feminino. São elas:

Safo de Lebos ( 630 a.C / 604 a.C – 580 a.C). Fundou uma escola para moças – a primeira “escola de aperfeiçoamento” da história – onde lecionava poesia, dança e música. A notoriedade de sua obra fez com que Platão a considerasse como a décima musa.

Hypatia de Alexandria (355 a 415 d.C.) – Maior pesquisadora nos campos da matemática, filosofia, física e astronomia. Dedicou-se também à poesia e à retórica. Na Academia conquistou a cadeira ocupada por Plotino. Entre suas contribuições está o mapeamento dos corpos celestes e o aperfeiçoamento do hidrômetro.

Hildegard von Bingen (1098 – 1179) – Conhecida como terapeuta e visionária. Seu legado inclui vasta obra de ciência natural e botânica, astronomia e medicina. Fundou um monastério em 1165. Seus escritos míticos, teológicos e filosóficos são de inspiração platônica.

O Amor no Centro da Filosofia

Heloísa de Argenteuil ou de Práclito (1101 – 1164). O resgate de sua história se deu através da correspondência com Abelardo, maior filósofo vivo na época, na França. O relacionamento entre os dois inspirou, por séculos, novelas, canções, poemas e filmes. O amor está no centro de sua filosofia. É através dele que se alcança a transcendência. Sua contribuição à filosofia medieval é equilibrada por sua contribuição ao humanismo.

Louise Labé (1524 – 1566) – Poetisa francesa.  Escreveu as obras Sonetos e Debate entre a Loucura e o Amor. A dedicatória deste livro contém uma espécie de manifesto das reivindicações femininas, do direito das mulheres à ciência e outros conhecimentos.

Mary Wollstonecraft (1739 – 1797) – Escritora inglesa. Obras: Pensamentos sobre a Educação das Filhas (1787), Reivindicação dos Direitos dos Homens (1790) e seu livro mais importante – um tratado político-filosófico intitulado A Reivindicação dos Direitos das Mulheres.

Em Busca da Sabedoria

Helena Petrovna Blavatsky (1831 – 1891) – Viajou pelo mundo trazendo a sabedoria oriental para o Ocidente. Em 1975 fundou a Sociedade Teosófica. Escreveu inúmeras obras, entre elas, Ísis sem Véu e A Doutrina Secreta. Sobre sua imensa contribuição disse: “Fiz apenas um ramalhete de flores do Oriente, e não acrescentei nada meu senão o laço que as amarra”.

– Marie Curie (1867 – 1934) – Cientista e matemática nascida na Polônia. Ganhou dois prêmios Nobel pela descoberta do polônio e do rádio. Foi a primeira mulher a receber um Nobel e primeira pessoa e única mulher a ganhar o prêmio duas vezes.  Catedrática de física na universidade Sorbonne. Dedicou sua vida à ciência.

Hannah Arendt (1906 – 1975) – Alemã, estudou filosofia a partir de As Origens do Totalitarismo. Inicia uma reflexão sobre os acontecimentos de sua época. Formula uma nova forma de pensamento político. Obras: A Condição Humana, Entre o Passado e o Futuro, Crises da República, Eichmann em Jerusalém, A Banalidade do Mal, A Vida do Espírito – o pensar, o querer e o julgar.

Delia Steinberg Guzmán – Filósofa à maneira clássica, musicista, escritora e Diretora Internacional da Organização Nova Acrópole desde 1991. Nasceu em Buenos Aires em 1943. Renomada pianista aos 17 anos. Cursou filosofia, jornalismo e publicidade e fez especializações em arqueologia e história. Em 1972 tornou-se diretora de Nova Acrópole na Espanha. Escreveu diversos livros. 

Um belo diálogo entre os participantes encerrou as atividades da noite.

 

Tags: Diálogos | Palestra