Bem vindo(a)! Você pode filtrar informações específicas da sede mais próxima de você, através da caixa à direita:

Que Opções Temos na Vida?

Que Opções Temos na Vida?

São Paulo - Zona Oeste

Categoria:

Aconteceu no dia 1° de julho a palestra on-line “Que Opções Temos na Vida?”, realizada pela Organização Nova Acrópole São Paulo – Zona Oeste, transmitida ao vivo no canal do YouTube da Organização Internacional Nova Acrópole do Brasil, com a proposta de refletir sobre as decisões tomadas no dia a dia e sobre o papel que nós, seres humanos, desempenhamos na construção do próprio destino.

A professora Erika Kalvelage iniciou o tema trazendo uma questão que os filósofos de todas as épocas sempre se questionaram: “o que é a vida?”. Desta maneira, comparou a vida com os passos que damos no sentido de nossa existência e que, a cada tempo fazemos escolhas, e então vamos por essa nova via selecionada. No entanto, surgirá uma nova indagação: “para onde estamos indo?”. Apresentou algumas referências para estimular a reflexão sobre as escolhas que temos tomado durante esta jornada. Um dos pontos levantados foi a do pensamento egípcio, que acreditavam que a vida seria uma oportunidade de purificação, aprendizados e desafios, para que, em algum momento, pudéssemos ter um coração mais leve que uma pena, isto é, uma consciência tranquila.

Lembrou do pensamento indiano sobre o sentido da vida, relacionado ao que eles chamavam de dharma e karma. Isso quer dizer que no Universo tudo se move para um sentido, isto é, que cada ser humano tem um papel a ocupar. Além disso, conhecemos também o conceito que vem lá da Grécia, com Platão. O filósofo dizia que a vida do ser humano não estaria limitada somente a essa que sentimos, pois existiria ainda mais um plano, um mundo das ideias, que faríamos parte desse mundo e o sentido da vida então seria transcender o nosso eu interior.

Explicou que todos esses conceitos tem algo em comum, de que o sentido da vida é superior. “A vida seria uma experiência, uma oportunidade para que possamos alcançar as ‘estrelas’ internas, de forma simbólica; para que nós possamos alcançar os céus, para que possamos voar internamente”, finaliza.

 

Tags: Palestra