Bem vindo(a)! Você pode filtrar informações específicas da sede mais próxima de você, através da caixa à direita:

Glosando o Mote: “Das almas grandes a nobreza é esta” – Bocage

Nova Acrópole / Poemas e Contos / Glosando o Mote: “Das almas grandes a nobreza é esta” – Bocage
Categoria:
Glosando o Mote: “Das almas grandes a nobreza é esta” – Bocage

Apertando de Nise a mão nevada,
A furto lhe pergunto: “De mim gosta?”
Cala-se Nise, e manda-me a resposta
Nas asas de estrondosa bofetada!

“Que é isso?” grita a mãe. “Senhora, é nada”,
Lhe responde com voz branda e composta:
Ferve susurro aqui, e à parte oposta
Rebenta insultadora pateada:

“Calai-vos (lhes gritei) homens estultos!
Achei Nise, guardando o lume a Vesta,
Quando julguei que a Amor rendia cultos.

Sou nobre! Sou herói! Vamos à festa!
Amar, e por Amor sofrer insultos,
Das almas grandes a nobreza é esta.”

GLOSANDO O MOTE: “DAS ALMAS GRANDES A NOBREZA É ESTA” - Bocage

 

Nota biográfica

Manuel Maria de Barbosa l'Hedois du Bocage nasceu em Setúbal, em 15 de setembro de 1765 e faleceu em Lisboa, em 22 de dezembro de 1805. Foi um poeta nacional português e o maior representante do arcadismo lusitano. Embora ícone deste movimento literário, é uma figura inserida num período de transição do estilo clássico para o estilo romântico que terá forte presença na literatura portuguesa do século XIX.

 




Se alguma das imagens usadas neste artigo violar direitos autorais, favor entrar em contato conosco.