Bem vindo(a)! Você pode filtrar informações específicas da sede mais próxima de você, através da caixa à direita:

Não ser – Florbela Espanca

Nova Acrópole / Poemas e Contos / Não ser – Florbela Espanca
Categoria:
Não ser – Florbela Espanca

Quem me dera voltar à inocência
Das coisas brutas, sãs, inanimadas,
Despir o vão orgulho, a incoerência:
– Mantos rotos de estátuas mutiladas!

Ah! arrancar às carnes laceradas
Seu mísero segredo de consciência!
Ah! poder ser apenas florescência
De astros em puras noites deslumbradas!

Ser nostálgico choupo ao entardecer,
De ramos graves, plácidos, absortos
Na mágica tarefa de viver!

Ser haste, seiva, ramaria inquieta,
Erguer ao sol o coração dos mortos
Na urna de oiro duma flor aberta!…

 

Não ser - Florbela Espanca


Nota biográfica

Florbela Espanca nasceu em Vila Viçosa, Portugal, em 8 de dezembro de 1894. A poetisa foi batizada como Flor Bela Lobo, e optou por se autonomear Florbela d'Alma da Conceição Espanca. A sua vida, de apenas 36 anos, foi plena, embora tumultuosa, inquieta e cheia de sofrimentos íntimos, que a autora soube transformar em poesia da mais alta qualidade.



Se alguma das imagens usadas neste artigo violar direitos autorais, favor entrar em contato conosco.