Bem vindo(a)! Você pode filtrar informações específicas da sede mais próxima de você, através da caixa à direita:

Os Cinco Sentidos – Almeida Garret

Nova Acrópole / Poemas e Contos / Os Cinco Sentidos – Almeida Garret
Categoria:
Os Cinco Sentidos – Almeida Garret

São belas — bem o sei, essas estrelas,
Mil cores — divinais têm essas flores;
Mas eu não tenho, amor, olhos para elas:
Em toda a natureza
Não vejo outra beleza
Senão a ti — a ti!

Divina — ai!, sim, será a voz que afina
Saudosa — na ramagem densa, umbrosa,
Será; mas eu do rouxinol que trina
Não oiço a melodia,
Nem sinto outra harmonia
Senão a ti — a ti!

Os Cinco Sentidos - Almeida GarretRespira – n’aura que entre as flores gira,
Celeste — incenso de perfume agreste.
Sei… não sinto: minha alma não aspira,
Não percebe, não toma
Senão o doce aroma
Que vem de ti — de ti!

Formosos — são os pomos saborosos,
É um mimo — de néctar o racimo:
E eu tenho fome e sede …sequiosos,
Famintos meus desejos
Estão… mas é de beijos,
É só de ti — de ti!

Macia — deve a relva luzidia
Do leito — ser por certo em que me deito.
Mas quem, ao pé de ti, quem poderia
Sentir outras carícias,
Tocar noutras delícias
Senão em ti — em ti!

A ti! ai, a ti só os meus sentidos
Todos num confundidos,
Sentem, ouvem, respiram;
Em ti, por ti deliram.
Em ti a minha sorte,
A minha vida em ti;
E quando venha a morte,
Será morrer por ti.

Os cinco sentidos - Almeida Garret

 

Nota biográfica 

João Baptista da Silva Leitão de Almeida Garrett nasceu em Porto, em 4 de fevereiro de 1799 e faleceu em Lisboa, em 9 de dezembro de 1854. Foi um escritor e dramaturgo romântico, orador, ministro e secretário de estado honorário português. Grande impulsionador do teatro em Portugal, uma das maiores figuras do romantismo português.


 

Se alguma das imagens usadas neste artigo violar direitos autorais, favor entrar em contato conosco.