Bem vindo(a)! Você pode filtrar informações específicas da sede mais próxima de você, através da caixa à direita:

A umas saudades – Gregório de Matos

Nova Acrópole / Poemas e Contos / A umas saudades – Gregório de Matos
Categoria:
A umas saudades – Gregório de Matos

Parti, coração, parti,
navegai sem vos deter,
ide-vos, minhas saudades
a meu amor socorrer.

Em o mar do meu tormento
em que padecer me vejo
já que amante me desejo
navegue o meu pensamento:
meus suspiros, formai vento,
com que me façais ir ter
onde me apeteço ver;
e diga minha alma assi:
Parti, coração, parti,
navegai sem vos deter.

Ide donde meu amor
apesar desta distância
não há perdido constância
nem demitido o rigor:
antes é tão superior
que a si se quer exceder,
e se não desfalecer
em tantas adversidades,
Ide-vos minhas saudades
a meu amor socorrer.

A inconstância dos bens do mundo - Gregório de Matos 
Nota biográfica 
Gregório de Matos Guerra nasceu em Salvador, em 23 de dezembro de 1636 e faleceu em Recife, em 26 de novembro de 1696. Alcunhado de Boca do Inferno ou Boca de Brasa, foi um advogado e poeta do Brasil Colônia. É considerado um dos maiores poetas do barroco em Portugal e no Brasil e o mais importante poeta satírico da literatura em língua portuguesa no período colonial.




Se alguma das imagens usadas neste artigo violar direitos autorais, favor entrar em contato conosco.