XVII Semana da Filosofia: As várias unidades da Nova Acrópole em São Paulo se unem para Seminário sobre o tema “A Linguagem dos Símbolos”

Por São Paulo - São Caetano do Sul ABC

A XVII edição da Semana da Filosofia foi comemorada entre os dias 12 e 20 de novembro pelas sedes da Nova Acrópole SP Zona Sul, SP Zona Oeste, Santana, Jd. Paulista, Osasco, São Caetano do Sul, Santos, Guarulhos, entre outras em todo o País.

Nos dias 15, 16 e 17, as lives nacionais transmitidas pelo canal YouTube da Nova Acrópole foram seguidas de diálogos e conversas para inspirar a reflexão sobre o tema entre professores e alunos. As escolas contaram com painéis, palestras e outras atividades para promover o Valor dos Símbolos na vida humana.

Na Nova Acrópole São Caetano do Sul – ABC, professores e alunos, após cada live, dialogaram sobre cada tema para melhor compreensão. Na mesma semana ficou em exposição na escola painéis com uma seleção sugestiva sobre a amplitude do tema.

Na noite de sexta, 18, foi realizado o Seminário “A Linguagem dos Símbolos” no teatro UMC na Vila Leopoldina. As quatro exposições de 20 minutos trataram as diferentes faces deste tema tão rico. Citando uma delas, “O Imaginário Simbólico na Vida Cotidiana”, o professor José Roberto tocou na importância desta linguagem: “Um objeto natural qualquer em nossa vida tem qualidades e defeitos que podemos deduzir para poder ver o que é ‘invisível aos olhos’ e aí sentimos vontade de aprofundar esta percepção. Então a Filosofia, seja de Platão ou Confúcio, vai fazer sentido para nós”.

No sábado, 19, aconteceu a exposição de painéis nas estações do metrô Luz, Borba Gato e Paulista, e na linha de trem da CPTM em Osasco. Os usuários acompanhavam a evolução em belas imagens que mostravam o ilimitado da visão simbólica, no cotidiano, nas áreas de conhecimento etc.

O tema do Símbolo, tratado nesta Semana da Filosofia de 2022, é de uma riqueza filosófica fundamental, como bem expressa o Diretor Internacional da Nova Acrópole, o professor Carlos Adelantado: “Do ponto de vista filosófico (como busca do conhecimento) interessa-nos (…) na sua função de relacionar o mundo manifestado no sensível (através da compreensão) com a sua contraparte superior à qual Platão chamava o mundo das ideias Arquetípicas (através da imaginação e da intuição).”

A Linguagem do Símbolos só nos enriquece a visão interior, trazendo para mais perto este conceito tipicamente platônico, onde a ação cotidiana é um reflexo de nossos melhores sentimentos e pensamentos. Este exercício chamamos Filosofia em Ação ou Filosofia como Arte de Viver.