Semana do Meio Ambiente com palestras, oficinas e música

Por Rio Grande do Sul - Caxias do Sul

Em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente 2022 foi realizado na sede da Nova Acrópole em Caxias do Sul, a Semana do Meio Ambiente. Promovido anualmente pela Organização das Nações Unidas (ONU), este ano com a temática “Uma só Terra”, tendo como foco a vida sustentável em harmonia com a natureza, buscando reviver a temática promovida há 50 anos do início deste esforço global.

A semana contou com diferentes temáticas ao longo dos dias 31 de maio a 2 de junho, além do convite para a live promovida pela Nova Acrópole Brasil, no dia 5 de junho, com o tema “Uma só Terra: inspirações filosóficas e morais para o mundo de hoje”.

No 31 de maio, terça-feira, foi realizada a palestra “Ecologia Humana: uma compreensão de si mesmo e seu papel no mundo”, com a explanação do professor Gustavo Massen. Para finalizar o dia, aconteceu também a apresentação do coral amador regido por Sandra, voluntária da Nova Acrópole.

Neste sentido, foi possível compartilhar com alunos, voluntários e comunidade em geral, algo da experiência educacional e humana na promoção da Filosofia, Cultura e Voluntariado para melhorar o mundo, promovido há 64 anos pela Organização Internacional Nova Acrópole, em sua existência em diversas cidades do mundo, estando presente em Caxias do Sul há 20 anos.

No dia seguinte, 1o de junho, as alunas do curso de Ciências Biológicas da Universidade de Caxias do Sul – UCS, Franciele, Poliana e Andressa, conduziram a oficina com o tema “Consumo Consciente: essencial, necessário ou supérfulo?”. A oficina estimulou a reflexão e diálogo dos participantes sobre os diversos produtos e embalagens que tem contato no dia a dia e a pensar soluções simples e práticas para melhorar o atual cenário.

O coral dos alunos da Nova Acrópole realizou, ao final da atividade, a apresentação da música brasileira Clareana de Joyce Moreno, alusiva à relação do ser humano e sua relação com os elementos naturais.

Já na quinta-feira, dia 2, as alunas da UCS ofertaram uma exposição interativa com o tema “Resíduos Sólidos: reconhecendo a problemática”, promovendo o diálogo e compartilhamento de experiências para a busca de soluções.

Neste mesmo dia também apoiaram no evento os voluntários do Caxias Lixo Zero, Daniel e Marcelo, através da palestra realizada por Daniel, também profissional de Ciências Biológicas, pesquisador, educador ambiental e empresário na área de compostagem doméstica.

A palestra tratou do tema “Lixo ou Resíduo? Do descarte ao resíduo final” e trouxe inúmeros dados e informações, assim como o compartilhamento da experiência no contato com a realidade do processo de reciclagem de nossa cidade e na prática da compostagem doméstica como importante solução, esclarecendo as dúvidas dos participantes.

Além disso, a equipe de voluntários do Caxias Lixo Zero disponibilizou na sede da Nova Acrópole, durante toda semana, uma exposição interativa e educativa sobre o caminho percorrido pelo lixo na cidade, trazendo dados, indagações e orientações ao público.

Neste mesmo dia foi realizado um encerramento das atividades presenciais com um agradecimento a todos os voluntários e estudantes que se dedicaram na realização de todas as atividades promovidas e com a apresentação de uma poesia de autoria de um aluno da Nova Acrópole e declamada pelo mesmo, Plínio, assim como da poesia de Fernando Pessoa declamada por outra aluna, Marina.

O agradecimento também foi simbolizado pelo presente de mudas de araucária aos protagonistas, sendo a araucária uma espécie arbórea muito bela, nativa do Brasil, conhecida também como pinheiro-brasileiro, ameaçada de extinção, encontrada nas regiões sul e sudeste do Brasil, muito apreciada por suas sementes na cidade e região, conhecida como pinhão. Buscou-se, assim, representar a inspiração de soluções e intento de reconexão à natureza, que tanto tem a ensinar em generosidade, inteligência e integridade.

Observou-se, por fim, que as atividades desenvolvidas geraram nos participantes, alunos, voluntários e comunidade em geral, profundas reflexões que, acredita-se, possam ter despertado e motivado a uma maior conscientização da responsabilidade do ser humano em relação ao seu lugar natural diante da vida que o rodeia, renovando os sentimentos de esperança e boa vontade para transformar a realidade à partir da conduta individual até chegar às práticas coletivas com maior sentido de unidade.

Este sentido pôde ser percebido através da aproximação e aprendizado gerado entre estes diferentes grupos de pessoas, que esforçam-se, no entanto, por causas comuns, como o melhoramento do ser humano e sua integração à natureza.