Instituto Internacional de Artes Marciais Filosóficas Bodhidharma promove encontro estadual em Curitiba

Por Paraná - Curitiba

No final de semana dos dias 3 e 4 de dezembro, o Instituto Internacional de Artes Marciais Filosóficas Bodhidharma, em parceria com a Nova Acrópole, promoveu um encontro estadual. A atividade reuniu praticantes e instrutores de todo o estado do Paraná, com o propósito de viver juntos momentos de espírito marcial. Os praticantes dos vários Dojos tiveram a oportunidade de conhecer seus irmãos marciais e entender um pouco mais o verdadeiro propósito das artes marciais. O encontro contou com a participação virtual do Sensei Fabiano Camilo, faixa preta 6º Dan do Estilo Nei Kung, e representante nacional do Instituto trazendo uma aula teórica de filosofia marcial que inspirou e motivou os praticantes.

Houve também aulas de Nei Kung e IAI DO, torneio de combate de faixinha e a apresentação de katas da esgrima japonesa. Foram momentos especiais nos quais os praticantes se colocaram à prova, entendendo o combate como o momento de aplicação daquilo que se aprende nos treinos e que representa enfim a própria luta do cotidiano de cada um. As artes marciais em sua essência objetivam forjar seres humanos melhores e fornecer ferramentas aos mesmos, de superar aos poucos suas fragilidades.

No sábado à noite, houve a celebração própria daqueles que buscam o resgate das tradições com um belo e inspirador jantar e a apresentação teatral de uma adaptação da obra Cumes e Vales, livro escrito pelo Prof. Michel Echenique, fundador do Instituto Bodhidharma, da arte marcial Nei Kung e também da Nova Acrópole no Brasil.

No domingo houve exame de graduação e troca de faixas, momento em que os praticantes se colocam à prova para expressar o seu melhor com as ideias que aprenderam no período e assim conquistar um novo passo em sua caminhada marcial, assumindo um compromisso pessoal e com os demais que chegam depois.

O evento contemplou o propósito de trazer muita inspiração, espírito guerreiro, sentido de clã e muita convivência, concretizando através das Artes Marciais do Instituto Bodhidharma da Nova Acrópole, um passo a mais na caminhada em busca de si próprio.

Seguem alguns relatos de experiência:

“Pude perceber de maneira mais prática que ao combater com nossos irmãos, de alguma maneira eles nos mostram o que é necessário ser trabalhado em nós mesmos.”  – Marina Gardinal

“Encerrei essa grande experiência com muita gratidão em meu coração, mais fortalecida para seguir adiante em minha trajetória e sentindo necessidade de buscar o meu melhor.”  –  Breezy Miyazato

“Nessa edição do encontro foi trabalhado a ideia do Centro. Estar no Centro permite ao praticante de Artes Marciais uma percepção muito maior do que está acontecendo, abrindo muitas possibilidades de ação. Esta é uma condição que deve ser procurada e desenvolvida a todo instante.” – Álvaro Campos

“O encontro foi um ato de reafirmação do caminho, esse caminho já trilhado por muitos que vieram antes de mim e que será trilhado por muitos outros ainda e, nesse sentido, o despertar do dever em manter e incentivar outros irmãos a seguir essa trilha filosófica marcial.” – Milton Hartmann

“Queria agradecer pela oportunidade de participar de um evento tão lindo assim, e tão completo: prática, teoria, exame, torneio, mas, sobretudo, união, convivência, desafios pessoais, amizade filosófica ao redor de ideias elevadas. Meu sentimento é de muita gratidão e energia renovada.” – Zoé Velasco

“O encontro Bodhidharma foi uma oportunidade única de encontro e reencontro entre os praticantes de todo o Estado. O sentimento era de uma festa marcial, e de uma unidade de clã guerreiro. Ver cada um superar suas dificuldades e limitações, se por à prova em torneio e exame de faixa, a convivência, a confraternização foram momentos únicos para a reafirmação de laços tão importantes dessa jornada. Lembrar que além do estilo, da técnica, e dos aspectos externos, o Instituto Bodhidharma prioriza os aspectos internos das Artes Marciais, buscando além de tudo formar um núcleo de fraternidade universal sem distinções.” – Felipe Quadra

“Um evento que no meu entendimento, resume alguns dos objetivos de uma arte marcial filosófica: treinos práticos aplicados em nossa vida cotidiana, embasamento teórico para que avancemos em nossa vida interior, momentos de enfrentamento de si mesmo, instrução de pequenos mestres que denotam a trilha discipular e a generosidade do guerreiro e, claro, momentos de convivência característico de um clã de guerreiros unidos por bons ideais.” – Renan Ramon Ramos Mendes

“Foi uma experiência ímpar de vivência filosófica e guerreira. Repleta de inspirações, ensinamentos e desafios (principalmente internos), que nos auxiliam e capacitam a lutar o bom combate em nossa guerra interior.” – Mayron Slonik