Filosofia na Praça: um convite a ser voluntário por um dia  

Por Rio de Janeiro - Tijuca

No último domingo de agosto, dia 28, os voluntários da Nova Acrópole Rio de Janeiro se reuniram para mais um evento promovido pela unidade Tijuca: Seja Voluntário por um dia! O encontro tem por finalidade promover a integração da comunidade com o trabalho voluntário e com a filosofia em Nova Acrópole.  

A edição desse mês teve como atividade a sua segunda edição do Filosofia na Praça, realizada novamente na Praça Xavier de Brito, que fica no Bairro da Tijuca (RJ). Estiveram presentes um grupo de voluntários da Nova Acrópole e pessoas da comunidade local, que juntos puderam realizar os habituais trabalho de limpeza, manutenção dos espaços, divulgação da filosofia e atividades recreativas para as crianças. 

Na limpeza e manutenção, os participantes recolheram papéis, objetos descartados e todo lixo deixado indevidamente nos espaços de convivência, nos canteiros e no chafariz da praça. “O ser humano como ser integrante da natureza deve estar sempre atento aos resultados que suas ações podem provocar nesse sistema no qual estamos todos inseridos. O trabalho de limpeza é feito com essa mentalidade de unidade ser humano-natureza”, comentou um dos organizadores da atividade. 

Outros voluntários distribuíram algumas edições da Revista Esfinge, o livrinho de bolso Pérolas de Sabedoria da Edições Nova Acrópole e marcadores de página com frases para reflexão. 

Enquanto tudo isso acontecia, a dupla de Palhosofos, os palhaços filósofos, divertiam os pequenos que aproveitavam o dia de lazer. A  equipe, formada pelas próprias crianças, saíram pelo parquinho numa sadia aventura de exploração do espaço, apreendendo sobre integração com a natureza e reciclagem. Uma atividade que animou bastante os pequenos e a seus pais.

Ao final do evento os participantes se reuniram para um bate-papo filosófico que teve como tema “Os ciclos da natureza e a correspondência deles em nós.” Baseado no livro Os Jogos de Maya, de Delia Steinberg Guzmán, o diálogo foi conduzindo aos participantes a reconhecerem dentro de si as estações do ano e o efeito que produzem quando passamos por elas conscientemente. Valores como a coragem, a renovação, a reflexão e a própria busca da identidade foram citados como exemplos dessa experiência interna, que todos vivenciamos.