GRAFOLOGIA – OS NOMES DE AGATHA CHRISTIE

10 de julho de 2015 - 01:39
Por Nova Acrópole

Seu verdadeiro nome era Agatha Millar, foi batizada como Agatha Mary Clarissa Millar, ou seja, com três nomes de batismo. Desde menina escreveu poesia, letras de canções, relatos e uma novela.

Agatha Christie
Aos 24 anos mudou seu nome para Agatha Christie, devido ao casamento com o coronel Archibal Christie. Tiveram uma filha, Rosalind. Com Archie teve a oportunidade de dar a volta ao mundo. Agatha adorava viajar. A escritora conservou seu sobrenome mesmo depois do divórcio.

O mistério de seu desaparecimento. Teresa Neele
Como em suas melhores novelas, durante 11 dias sua vida se converte em mistério. Aos 36 anos é protagonista de um estranho desaparecimento, quando, numa noite, abandona seu carro e sua roupa numa estrada. Finalmente, a encontraram alojada tranquilamente em um hotel da inglaterra com um nome falso, o de senhora Teresa Neele, da cidade do Cabo. Segundo a imprensa, a escritora enviou três cartas durante seu desaparecimento, mas não foram publicadas. Nessa época, Agatha estava passando por momentos muito duros, devido à solidão pelo divórcio e pela morte inesperada de sua mãe. Chegou até a esquecer seu nome quando tinha que assinar um cheque.

Falsificações e anônimos
A dama do crime conhece a importância que a escrita tem numa investigação policial e intitula dois livros: “Cartas na mesa” e “O enigma das carta anônimas”. Na obra de Agatha Christie, Gillian Gill as denomina como pistas “textuais” e explica que quase sempre têm grande importância; em “Styles”, por exemplo, encontram-se:
– a assinatura do livro de venenos
– o fragmento de testamento carbonizado
– alguém tem praticado como escrever “eu possuo”
– a carta aparentemente datada de 17 de Julho
– a carta em que se falsificava a letra de uma pessoa.

Senhora Mallowan
Aos 40 anos, casa-se pela segunda vez com o arqueólogo Max Mallowan. O único livro assinado por Agatha Christie Mallowan é “ Venham dizer-me como vivem”, porque ela pediu que fosse publicado com esse nome. Nesse livro fala sobre as quatro temporadas de escavação arqueológica na Síria e no Iraque, que passou com o marido. Agatha disse que o escreveu “em resposta às inumeráveis perguntas que seus amigos faziam em relação ao tipo de vida que levavam nesses estranhos lugares”.

Mary Westmacott
Publicou 6 novelas utilizando o sobrenome Mary Westmacott. Mary é um de seus nomes do meio, o sobrenome de solteira de sua avó era West, e assim formou o nome de Mary Westmacott. Nesses livros escreve suas idéias sobre a vida e a morte, a humanidade e Deus.
Quando foi revelada a identidade de Mary Westmacott, a escritora comentou: “as pessoas que mais me preocupavam que o soubessem eram meus amigos. É como coibir meus assuntos. Agora tudo isso acabou. Os desejos de um autor deveriam ser respeitados”.
Agatha também utilizou outros nomes: Nathaniel West e depois Daniel West, para os contratos editoriais de Mary Westmacott.